Covid-19

Negócios familiares retomam atividades nesta segunda-feira, 25 de maio

Sebrae direciona ações para orientar pequenos negócios nesta fase de retomada, enfatizando segurança sanitária.

A partir desta segunda-feira (25), o Maranhão começa a vivenciar uma nova etapa no controle da pandemia de corona vírus. Iniciou-se, em todo o estado, a reabertura gradual das atividades econômicas paralisadas por decreto estadual desde 16 de março.

O processo de retomada tem amparo no decreto estadual 35.831, de 20 de maio último, que reitera o estado de calamidade pública em todo o Maranhão para fins de prevenção e enfrentamento à Covid-19, e fixou medidas sanitárias gerais e segmentadas, estabelecendo condições básicas para a retomada das atividades empresariais.

A reabertura gradual se iniciou com negócios familiares – estabelecimentos comerciais e de serviços de pequeno porte, onde somente atuavam antes da pandemia e continuam em atividades o proprietário e seu grupo familiar (cônjuge, companheiro, pais, irmãos, filhos ou enteados).

Dados do Sebrae, de 2017, revelam em média 52% do total de micro e pequenas empresas do País são negócios familiares. No Maranhão, esse número é de 41%, entendendo-se por empresas familiares aquelas com sócios ou empregados pertencentes a um núcleo familiar.  

“São empresas de base familiar, pequenos negócios dos quais inúmeras famílias tiram o sustento em todo o Maranhão; comércios de bairro, pequenos prestadores de serviço em que trabalham pessoas de uma mesma família. A maioria deles são MEI e microempresas ou às vezes negócios informais que movimentam a economia das cidades e que vão poder contar com as orientações do Sebrae para retomem suas atividades com segurança, observando protocolos sanitários e determinações específicas de seus segmentos, de forma segura e responsável”, comenta o superintendente do Sebrae no Maranhão, Albertino Leal de Barros Filho.

“Em face disso, o Sebrae como já vem fazendo durante a pandemia, está atuando firme para orientar as empresas no sentido de respeito às normas sanitárias, oferecendo aos pequenos negócios o suporte necessário neste momento. Nossa estrutura está voltada para esse desafio. Naturalmente que dúvidas deverão surgir e, para isso, nossas equipes técnicas estarão a postos para ajudar o empresário no que for necessário, de modo que a retomada seja segura e sustentável”, acrescenta, Albertino Leal.

Entre essas empresas está a Praianas Chinelaria e Moda Praia, instalada no centro do município de São José de Ribamar. Formada pela empresária Thatianny Soares e Silva e uma sobrinha, a empresa voltou a funcionar hoje, depois de uma parada em que buscou atualizar-se em vendas online e enfrentamento de crise valendo-se da Internet.

A empresária conta que por hora está buscando adaptar-se às regras para garantir segurança ao cliente e ao núcleo familiar. “Estamos usando máscaras e disponibilizamos álcool em gel e local para higienização das mãos, além de orientar as pessoas na entrada da loja para evitar aglomerações, trabalhando com o máximo de cuidado e atenção”, explica.

Ela observa que, mesmo não tendo filas costumeiramente, resolveu reforçar o controle do fluxo de clientes para não correr riscos. “Colocamos uma grade para controlar a entrada de pessoas na loja e por hora, não estamos com as portas totalmente abertas e nem estamos permitindo que o cliente experimente roupas. Como não temos movimento de filas, nossa preocupação é garantir a segurança dos nossos clientes e a nossa, orientando todos para a necessidade de atenção máxima nesse momento”, complementa a empresária.

Protocolos - O negócios familiares autorizados a funcionar devem atender a protocolos sanitários gerais obrigatórios, como por exemplo, o uso de máscaras, meios para higienização das mãos (com água e sabão ou álcool em gel) e distanciamento social (pelo menos dois metros entre clientes e funcionários e entre clientes, em casos de fila). E devem cuidar para que todas as restrições consideradas necessárias para evitar maior disseminação do coronavírus sejam repassadas aos clientes. 

A expectativa de aumento no fluxo de consumidores e a necessidade de cuidados para com os clientes e colaboradores estão entre as preocupações de Camila Gonzalez que, junto com o marido, toca a Levain São Luís, no bairro do Renascença. Desde o início das medidas de isolamento, por ser considerado essencial, o negócio não parou. Mas mudou a forma de atuar, passando a privilegiar o delivery e o acesso take out (compre e retire no balcão). Agora, com a permissão para funcionamento ela concentra as medidas para evitar aglomerações.

“Continuaremos a atuar dentro de critérios de segurança, como já vínhamos fazendo com o nosso delivery e agora focando também o serviço take out, orientando os consumidores, com a máxima higiene e segurança. Além disso, sempre procuramos conscientizar os clientes para a necessidade de proteção e da importância de que cada um faça a sua parte nesse esforço para contenção do coronavírus”, assinalou a empresária. “Estamos fazendo o máximo para cumprir com as determinações legais. Mas é preciso que todos deem a sua colaboração, para que logo possamos superar estes momentos difíceis para todos”, conclui Camila Gonzalez.  

Outras atividades e fiscalização - As atividades essenciais já autorizadas a funcionar por meio de decretos anteriores continuam liberadas. Entre essas estão, supermercados, farmácias, delivery de alimentos, lojas de material de construção e de tecidos, serviços hospitalares, clínicas, laboratórios e serviços considerados essenciais à população. Para as demais atividades não contempladas no decreto, o funcionamento deve ser retomado de forma gradual e lenta, a partir de 1º de julho, ficando pendente a lista de tais atividades e os protocolos específicos.

VEJA ALGUMAS ATIVIDADES AUTORIZADAS A FUNCIONAR  A PARTIR DESTA SEGUNDA-FEIRA (25) NO MARANHÃO

Pequenas empresas exclusivamente familiares
Supermercados e mercadinhos, com metade da capacidade
Delivery de bar, restaurante, lanchonete, depósitos de bebidas e similares
Hospitais, clínicas, farmácias, óticas e laboratórios
Drive thru ou retirada no local desses mesmos estabelecimentos
Serviços de entrega e retirada de lavanderia
Lojas de tecido
Oficinas e venda de material de construção 
Coleta de lixo e postos de combustível

VEJA ALGUMAS ATIVIDADES QUE AINDA NÃO PODEM FUNCIONAR

Academias, shopping centers, cinemas, teatros, bares e casas noturnas
Restaurantes, lanchonetes, salões de beleza e lojas
Visitas a pacientes suspeitos ou confirmados com coronavírus

 

 

Mais informações:

Assessoria de Imprensa do Sebrae no Maranhão

(98) 3216-6133

 

Central de Relacionamento Sebrae: 0800 570 0800

Facebook.com/sebraema

Youtube/umcsebraema

Twitter: @Sebrae_Ma

Instagram: @SebraeMaranhao