Agronegócio

Sebrae vai desenvolver produção de abóbora e abacaxi no Centro e Cerrado-Sul Maranhense

Instituição já idealiza projeto para o próximo ano, com ações específicas que melhorarão o manejo das culturas e a produtividade, ampliando o acesso a novos mercados.

A partir de 2018, o Sebrae vai ampliar o atendimento aos produtores de abóbora e abacaxi no Centro e Cerrado-Sul Maranhense por meio de projeto que objetiva estruturar as duas culturas, atuando de maneira mais focada no aumento da produção, gestão do negócio, competitividade e acesso ao mercado. A região é um grande polo produtivo do estado, reunindo dez municípios das duas regiões – atendidas pela unidade regional do Sebrae em Presidente Dutra.

 

No Polígono da Abóbora, por exemplo, já são comercializadas mais de 12 mil toneladas por ano, mas a produção total é estimada em 24 mil toneladas anuais. Formado pelos municípios de Colinas, Paraibano, Buriti Bravo, Passagem Franca, Sucupira do Norte, Pastos Bons, São João dos Patos, Lagoa do Mato e Mirador o território reúne mais de dois mil produtores rurais espalhados em assentamentos, áreas quilombolas e propriedades rurais de pequeno porte.

 

O Polígono da Abóbora foi identificado por consultoria contratada pelo Sebrae que analisou diversos aspectos do ambiente produtivo, bem como da comercialização. O estudo tornou-se o principal instrumento norteador do planejamento das ações que já estão sendo articuladas pela instituição junto a parceiros, incluindo o poder público dos municípios envolvidos, assim como os produtores.

 

“O estudo apontou que os próprios produtores rurais e o poder público não enxergavam o potencial da abóbora na região, nem tinham a consciência da amplitude desse mercado e de como ele poderia afetar mais positivamente a realidade local. Portanto, o Sebrae, que já atua nesse território por meio da regional em Presidente Dutra, atendendo inclusive os produtores, resolveu ampliar sua contribuição executando um projeto estruturante para desenvolver essa cadeia produtiva”, ressalta o diretor superintendente do Sebrae no Maranhão, João Martins.

 

O executivo esteve em recente visita ao Centro e Cerrado-Sul Maranhense, conversando com os produtores e alinhavando parcerias com os gestores dos nove municípios do Polígono da Abóbora. “Nos comprometemos a puxar esse processo e levar outras instituições de fomento para o território com vistas ao aumento da produção, disseminação da cultura do associativismo, ampliação do mercado para comercialização e fortalecimento da região como polo produtor do Maranhão”, destaca. 

 

Produção de abacaxi em São Domingos do MA atinge 28 milhões de frutos

 

 

De acordo com as informações de João Martins, o projeto do Sebrae também vai abranger a produção de abacaxi de São Domingos do Maranhão, o maior polo produtor do estado, com 1.400 hectares voltados para o plantio, mais de 28 milhões de frutos colhidos e 430 famílias de produtores envolvidos, beneficiando cerca de duas mil pessoas diretamente.

 

A área do município mais inserida na produção é formada pelos povoados de Condurú, Maturé, Pucumã, Centro das Pedras, Barriguda, Inhuma, Paul, Centro do Gato e outros – com mais de 60% concentrada nas duas primeiras localidades. A densidade atual varia em torno de 35 mil plantas por hectare.

 

Durante sua visita a São Domingos do Maranhão, o diretor superintendente do Sebrae conversou com o prefeito José da Folha e articulou parcerias para a execução de planos e estratégias para apoiar o desenvolvimento da cadeia do abacaxi na região.

 

“Os números do abacaxi produzido em São Domingos do Maranhão apontam o grande potencial para impulsionar o crescimento econômico do município e a região do entorno: somente em 2015, cerca de sete milhões de frutos foram colhidos, com comercialização para os estados da Bahia, Ceará e São Paulo, alcançando até mesmo o mercado do cone sul, sendo vendidos na Argentina”, enumera João Martins, que lembra o papel do Sebrae para o fomento e o desenvolvimento da cadeia produtiva em torno do abacaxi e o potencial para o desenvolvimento de pequenos negócios a partir desta cadeia.

 

Os produtores da região já investem em tecnologias como sistema de irrigação para elevarem a produtividade média por hectare e qualidade dos frutos colhidos, visando a venda de produtos na entressafra a preços melhores. Para isso, recebem orientação do Sebrae e assistência técnica Senar e outros parceiros para ajuda-los no acesso à inovação e tecnologia. "Fui incentivado a plantar e nesse terceiro ano o resultado está muito bom. Os parceiros trazem propostas novas e com ajuda deles temos tudo para crescer", disse o produtor de abacaxi Francisco Lopes.

 

Para o prefeito de São Domingos do Maranhão, o apoio do Sebrae é fundamental para o desenvolvimento local. “Trabalhar ao lado do Sebrae nos dá a certeza de que o fomento ao empreendedorismo é a melhor via para desenvolver a economia do município, trazendo benefícios a todos que aqui moram e trabalham, distribuindo riquezas para todos”, avaliou José da Folha.

 

“O Sebrae está cada vez mais interessado em desenvolver atividades produtivas que geram emprego, ocupação e renda e, estando inserido no setor produtivo, o abacaxi é mais um desses produtos com potencial para ser explorado e alcançar números ainda mais significativos para a economia do Estado”, acredita Martins, informando que o projeto de desenvolvimento da cadeia produtiva da abóbora e do abacaxi do Centro e Cerrado-Sul Maranhense estará no Plano Plurianual da instituição em 2018.

 

“Teremos, então, um horizonte de três anos ou mais para trabalharmos a etapa inicial de um processo maior que passará, em um primeiro momento, pela mudança como o produtor enxerga a sua atividade. O Sebrae quer tornar tanto a abóbora quanto o abacaxi negócios rurais lucrativos no nosso estado”, sinaliza João Martins.    

 

 

Mais informações:

Assessoria de Imprensa do Sebrae no Maranhão

(98) 3216-6133

 

Central de Relacionamento Sebrae: 0800 570 0800

Facebook.com/sebraema

Youtube/umcsebraema

Twitter: @Sebrae_Ma

Instagram: @SebraeMaranhao

 

Tags: Arranjo Produtivo Local, Associativismo, Agronegócios